CMLoures compromete-se a não fazer mais demolições no Talude

Exigimos o direito à habitação digna das pessoas Ciganas/Rroma em Portugal: reparação, já!
Abril 26, 2021
Manual Anti-Gentrificação para as cidades do Sul da Europa
Junho 8, 2021
Mostrar tudo

No dia 19 de Março, máquinas da Câmara Municipal de Loures entraram no Bairro do Talude (freguesia de Unhos) destruindo algumas habitações precárias.

Perante o pânico dos restantes moradores, avisaram que voltariam passado um mês e arrasariam as restantes, pelo que este era o prazo para todos saírem.

Durante um mês, com o apoio da Habita, da Stop Despejos e da AMRT (Associação para a Mudança e Representação Transcultural) – uma associação local que começou como associação de moradores e tem trabalhado pelo desenvolvimento do Bairro – os moradores organizaram-se para impedir a Câmara Municipal Loures de levar a cabo as suas intenções: fizeram um levantamento das pessoas que ainda vivem no bairro e das que perderam a casa, intervieram na reunião publica de CMLoures e na Assembleia Municipal, todas as famílias se candidataram a Habitação Municipal e participaram em várias assembleias de moradores.

Durante este mês de intensa luta, foi determinante a deslocação colectiva à Câmara de Loures onde os moradores acabaram por ser recebidos, tendo finalmente obtido o compromisso de que as casas remanescentes não seriam destruídas. Nestes momentos tiveram a solidariedade do moradores despejados do Catujal, solidariedade que retribuíram participando também na luta destes.

A solidariedade cresce na luta colectiva!

A luta não está terminada: contra o “privilégio” de permanecerem, os moradores obrigaram-se a não fazer quaisquer melhoramentos nas suas casas. O que, com o Verão que se avizinha não será difícil de cumprir, mas não se prevendo o realojamento em breve, terão de conseguir na luta o direito de se protegerem do frio e da chuva quando vier o Inverno.

Com este processo de luta, criámos uma relação – Moradores e Associações – que nos permitirá trabalhar em conjunto para procurar construir uma solução de realojamento ao abrigo do 1º Direito!

Vale mesmo a pena lutar!

Assembleia de Moradores no Talude